Categorias: Experiências, Jóias raras

A alegria que vem das coisas que não sabíamos

Quando eu li o laudo: “atraso importante do crescimento intrauterino”, meu coração gelou. A palavra “importante” soava como se estivesse grifada com marca-texto amarelo daqueles que quase gritam.

Eu sabia que meu bebê estava crescendo abaixo do esperado no final da gestação. E, portanto havia alguma possibilidade dela ter alguma deficiência, ou necessidade especial.

Eu estava aterrorizada. Em pânico. Achava que minha vida ia acabar.

Eu sabia que no mínimo, minha vida mudaria para sempre.

Só não tinha como saber de que forma.

Eu não tinha como saber que quando eu finalmente tivesse um diagnóstico, minha vida não seria destruída. Não seria o fim do mundo. Mas sim, a abertura de um novo mundo que poucos têm a chance de conhecer. Um novo mundo com dimensões de amor antes inimagináveis.

Eu não tinha como saber que estava gerando minha Lulubinha, que gosta de dormir segurando a minha mão. Que adora um carinho. Que fala a língua do “agguum” mais fofa e doce. Que tem um risinho tímido e amoroso, guardado só para os melhores momentos. Que é pequenina do tamanho de um botão, mas que tem uma energia interior gigantesca que reluz até o infinito. Que brinca de rolar até cansar. Que empina o bumbum para alto querendo engatinhar. Enfim, um ser humano como qualquer outro. Encantador e único. Com limitações e habilidades somente suas.

Eu não teria como saber que eu, meu esposo, minha família, seriamos tão fortes, corajosos e acima de tudo: FELIZES.

Eu não teria como saber que, sim, às vezes estamos cansados, mas que na maior parte do tempo, estamos sorrindo. Sorrindo de alguma gracinha nova da Lulubinha, de gratidão do amor que o Rafa têm por ela, ou qualquer outra coisa. Como agora, por exemplo, com o Rafa penteando o cabelinho dela, fazendo um “arrepiado” gigante e todos rindo até doer barriga.

Simples assim. A vida é simples. Somos nós que teimamos em torná-la complicada.

Eu não tinha como saber que não seria sofrido para sempre. Mas que sim, um dia eu seria extremamente grata por ter recebido a benção de ter tido a Lulubinha para me ensinar um novo viver. Um novo viver muito mais florido e colorido.

Eu realmente não tinha como saber.

E sei que vou aprender ainda muito mais. O ciclo da vida há de continuar: Viver, acertar, errar, aprender, aceitar, se surpreender, e ser feliz. Ser feliz AGORA, no tempo presente, pois nosso tempo aqui é curto.

Todas essas coisas que eu não tinha como saber antes, tornaram-se enormes fontes de alegria.

Eureka* : Serendipity ** !

Você pode pesquisar a definição clássica de Serendipity** no google ou ver aqui em no final do post.

De qualquer forma, compartilho com você o que é Serendipity  (ou Serendipidade, em português, se preferir),  nas minhas palavras e no meu viver:

Serendipidade é a alegria que vem das coisas que nem sequer imaginávamos. Das coisas que, antes, não tínhamos como saber. Essa é a alegria mais genuína que existe.

Obrigada, minha Lulubinha, meu amor, por ter me escolhido para ser sua mãe. E por ter me mostrado a enorme alegria que emana das coisas que antes eu não tinha como saber. Ter um filho especial é serendipidade pura.

Se algum dia, algo não sair como você imaginava ou sonhava , acredite : Serendipity !

Algo ainda melhor estará por vir. Tudo tem um propósito, nada é por acaso. Uma grande alegria ainda surgirá do inesperado. Basta ter serenidade para esperar… e acima de tudo: ter olhos sábios para poder saber enxergar onde está essa tal alegria.

Desejo do fundo do meu coração, que sua vida também seja cheia de Serendipity !

Um grande beijo, Daniela.

 * Eureka é uma interjeição que significa “encontrei” ou “descobri”, exclamação que ficou famosa mundialmente por Arquimedes de Siracusa. É normalmente pronunciada por alguém que acaba de encontrar a solução para um problema difícil. Fonte: Wikipedia.

**Serendipity é uma palavra em inglês que significa uma feliz descoberta ao acaso, ou a sorte de encontrar algo precioso onde não estávamos procurando. O termo serendipity foi criado no século XVI pelo escritor inglês Horace Walpole. Fonte: https://www.significados.com.br/serendipity/

Deixe seu comentário