Categorias: Experiências, Rotina com filhos

A vida como ela é

Não é uma foto perfeita.

Não me importo. É uma foto da minha vida como ela é.

Que como a foto, não é perfeita.

Mas é tudo que mais amo e não trocaria por nada nesse mundo.

Nessa foto, vejo um retrato de um dia comum. Sem glamour, sem capa de revista, mas feliz.

São detalhes que parecem singelos, mas nessa mesma foto eu enxergo :

  • Um rapazinho com a calça do pijama “pescando siri” porque cresceu… e rápido ! E como ! Está crescendo saudável e encantador.

 

  • Se você observar bem, vai ver o mesmo rapaz com um adesivo adesivo na mão. Não quer tirar , está orgulhoso porque ganhou do “tio do judô ” , por bom comportamento.

 

  • Vejo também um mini pacotinho cor de rosa todo fofo e serelepe. Querendo chamar minha atenção batendo pezinho na minha perna. E pegando com a própria mão uma chupetinha. Cena que não seria possível de se ver alguns meses atrás. Uma Lulubinha que não interna há seis meses e está cada vez mais graciosa.

 

Gratidão é a palavra do dia !

 

Autoria: Daniela Figueiredo

 

 

(Texto originalmente publicado em meu perfil do instagram @sonhodiferente em 08 de maio de 2018 )

Categorias: Experiências, Jóias raras, Rotina com filhos

Uma história sobre o desafio da alimentação

Um certo dia a Luísa decidiu que não queria mais sugar a mamadeira.

Começamos a dar o leite na colher. Não teve sucesso. Ela aceitava um pouco, mas continuava a chorar muito.

Tentamos de tudo. Minha casa até hoje guarda um estoque infinito de mamadeiras e bicos dos mais diferente tipos. Nenhuma ela queria. Desespero total.

Luísa internou por recusa alimentar. Foi dessa vez que escutei uma médica de um famoso hospital, e que nunca tinha visto a Luísa antes : – “Querida, sua filha é completamente desnutrida. Vamos fazer uma gastrostomia (alimentar-se exclusivamente por uma sonda). Nada contra: Eu faria sem pestanejar. Mas achei precipitado uma pessoa que nunca viu antes a Lulu tomar uma decisão dessa.

Tomei coragem e disse: – “Minha filha não é desnutrida ! Ela tem uma síndrome que você não conhece e não quer conhecer, que caracteriza-se por baixo peso. Até dois dias atrás ela mamava tudo. Ninguém vai fazer nada sem discutir com o pediatra dela” . O pediatra da Luísa é fantástico. Já salvou a Luísa de muitas. Dessa vez não foi diferente.

Ele disse para os médicos do hospital que gastrostomia seria a última opção. Que ele tentaria antes outras estratégias.

Ao oferecer leite especial (sem lactose e com proteína hidrolisada), ela aceitou tudo. Na colher. Comeu tudo raspando o pote. Introduziu papinha salgada: Comeu de lamber os beiços.

Medicina não é uma ciência exata. Nunca vamos entender porque os exames para APLV e intolerância a lactose davam normais. Mas a experiência mostrou que ela aceitava o leite especial muito bem, obrigada .

Só que a tal da mamadeira ela nunca mais quis saber. Só de ver, ela já berrava. Na verdade, a Lulu é muito esperta : Pegou bronca da mamadeira porque tinha um leite que fazia ela passar mal.

Até hoje tudo da Luísa é na colher. Até água. E esse é o menor dos meus problemas.

Essa é uma das últimas fotos que tenho da Luísa mamando.

Uma simples mamadeira me ensinou a ter confiança que sei mais da Luísa e da síndrome dela do que qualquer médico, e que nunca ninguém vai fazer nada na Lulu que eu não concorde.

(Texto originalmente publicado em meu perfil do instagram @sonhodiferente em 03 de maio de 2018).

 

Categorias: Experiências, Rotina com filhos

As mães, o tempo, e o coração

Depois que a gente vira mãe
Muita coisa muda. Você sabe. Todas sabemos.
Mas tem algo que não muda. Ele é sempre o mesmo.
Não importa se você é mãe ou não , ele tem sempre a mesma velocidade.
Isso se chama “tempo”.

Um especialista em física quântica ou alguém nesta esfera te diria isso.
Eu contesto.
Logicamente as leis da física justificam, mas as leis da “vida como ela é” não conseguem explicar.
Porque depois de ser mãe, o tempo toma uma nova dimensão.

Ele toma todo um novo significado.

Se antes dos filhos você achava que não tinha tempo para nada, como é agora com eles ?
Se sobrar uma horinha para as unhas, grite um Amém ! Comemore, minha cara.

Tem a fase que não pode deixar de olhar a criança por um segundo , senão …. tudo pode acontecer.
Você virou para o lado por um mísero instante e o moleque subiu no móvel, bateu na quina e se quebrou todo.
Como foi que ele fez isso em um segundo? você não sabe.

Tem a fase das horas das mamadas.Cada vez um peito. Demanda livre. Você mal deu o direito e já tá na hora do esquerdo. E o que você fez neste intervalo de tempo? Provavelmente nada ou coisas pela metade.
Um sanduíche que você comeu frio, talvez, porque teve que acolher o bebê que estava berrando de cólicas.

Tem as roupas que um dia cabem, e no outro lá estão as calças “pescando siri” e blusas aparecendo barriga.
Como ele cresceu rápido assim?

Tem os minutos que passam a demorar uma eternidade quando eles estão doentes, com dor, ou sofrendo por algum motivo.

Tem o novo medo da morte. Afinal, você queria ter tempo para vê-los casar, construir família , ser avó …

Um minuto atrás a bonequinha da mãmae estava ótima, contente e brincando. Do nada, marcou 38,5 e você não entende nada.

Cada hora de lazer com eles, são pérolas preciosas. Que podem fazê-los lembrar de uma infância feliz e com pais presentes. Tem que ter tempo para planejar ter tempo com eles. Ir ao parque, ao museu, ao zoológico ,a praia,..

A palavra prioridade toma importância absoluta.
Não vai dar para fazer tudo que gostaríamos: isso é fato. Então o que fazemos? Priorizamos.

Escolha rápido: Fazer o cabelo que está horrível ou passar uma tarde no parquinho com os filhos e seus amiguinhos ?
Por isso que muitas vezes as presilhas de fazer coque no cabelo se tornam a nossa fiel escudeira de todos os dias. Ou talvez neste dia não. Só neste dia. Talvez a situação da cabeleira esteja tão feia que o parquinho possa ser negociado para o domingo.

O tempo não perdoa. Ele voa. E nos resta fazer as escolhas.
E sempre vai haver tempo para escutar o coração.

O coraçao das mães nunca se engana.

Ele sofre, coitado. Mas o amor é tanto, tanto, que ele sempre sabe o caminho certo a tomar.

Gostou do texto? Comente aqui. Compartilhe !
Nota da autora: me inspirei para este post numa situação que vivi domingo passado.
Em um minuto Luísa estava ótima e contente, posando para fotos com essa roupinha nova e lacinho de florzinha no cabelo. No outro minuto, não me pergunte como, ela descompensou… Mas o coração da mamãe aqui foi ágil nas escolhas e tudo ficou resolvido no mesmo dia. Ela ficou ótima e voltamos para casa aliviados.