Categorias: Experiências, Gravidez

A hora certa

“Essa foto foi tirada a um pouco mais de 4 anos atrás.

Eu amo várias coisas nela: a paisagem, o look, o ângulo, a ideia.

Mas o que mais amo nela é lembrar do que eu estava sentindo neste dia: uma alegria imensa.

Uma felicidade que não cabia em mim: Eu ia ser mãe pela primeira vez !

E essa felicidade toda eu consigo ler na minha expressão facial, na facilidade com que posei para a foto, na leveza.

A paz e felicidade interior que sentimos, de alguma forma, sempre são refletidas no nosso exterior, na nossa aparência.

E neste dia, a alegria contagiante vinha de dentro da alma.

Rafael foi muito esperado. Foram dois anos de tentativas.

A cada menstruação que descia, as lágrimas corriam dos meus olhos. Eu queria muito ser mãe, mas não estávamos conseguindo, sem motivo aparente. Eu estava na fase de “tentante”, como se costuma dizer.

Já tínhamos conversado e decidido partir para inseminação artificial.

Mas Deus não quis que fosse assim.

Quando eu relaxei, e parei de ficar triste, um milagre se fez.

Nasceu a sementinha do Rafael. Meu primeiro tesouro.

Aquele que me ensinou a ser mãe. Quem conhece a figurinha sabe o quanto encantador ele é.

Porque ele não veio antes? Porque tive que passar dois anos chateada que ele não vinha ?

Eu não sei. Nem nunca vou saber.

Eu só sei que Deus sabe a hora certa. Se ela não chegou ainda, é porque não era para ser.”

Autoria – Daniela Figueiredo/

“Não existe cedo ou tarde,

Não existe tempo certo ou errado

As coisas acontecem quando tem que acontecer,

Cada uma em seu tempo,

E nada é por acaso “ (autor desconhecido)

Categorias: Experiências, Rotina com filhos

As mães, o tempo, e o coração

Depois que a gente vira mãe
Muita coisa muda. Você sabe. Todas sabemos.
Mas tem algo que não muda. Ele é sempre o mesmo.
Não importa se você é mãe ou não , ele tem sempre a mesma velocidade.
Isso se chama “tempo”.

Um especialista em física quântica ou alguém nesta esfera te diria isso.
Eu contesto.
Logicamente as leis da física justificam, mas as leis da “vida como ela é” não conseguem explicar.
Porque depois de ser mãe, o tempo toma uma nova dimensão.

Ele toma todo um novo significado.

Se antes dos filhos você achava que não tinha tempo para nada, como é agora com eles ?
Se sobrar uma horinha para as unhas, grite um Amém ! Comemore, minha cara.

Tem a fase que não pode deixar de olhar a criança por um segundo , senão …. tudo pode acontecer.
Você virou para o lado por um mísero instante e o moleque subiu no móvel, bateu na quina e se quebrou todo.
Como foi que ele fez isso em um segundo? você não sabe.

Tem a fase das horas das mamadas.Cada vez um peito. Demanda livre. Você mal deu o direito e já tá na hora do esquerdo. E o que você fez neste intervalo de tempo? Provavelmente nada ou coisas pela metade.
Um sanduíche que você comeu frio, talvez, porque teve que acolher o bebê que estava berrando de cólicas.

Tem as roupas que um dia cabem, e no outro lá estão as calças “pescando siri” e blusas aparecendo barriga.
Como ele cresceu rápido assim?

Tem os minutos que passam a demorar uma eternidade quando eles estão doentes, com dor, ou sofrendo por algum motivo.

Tem o novo medo da morte. Afinal, você queria ter tempo para vê-los casar, construir família , ser avó …

Um minuto atrás a bonequinha da mãmae estava ótima, contente e brincando. Do nada, marcou 38,5 e você não entende nada.

Cada hora de lazer com eles, são pérolas preciosas. Que podem fazê-los lembrar de uma infância feliz e com pais presentes. Tem que ter tempo para planejar ter tempo com eles. Ir ao parque, ao museu, ao zoológico ,a praia,..

A palavra prioridade toma importância absoluta.
Não vai dar para fazer tudo que gostaríamos: isso é fato. Então o que fazemos? Priorizamos.

Escolha rápido: Fazer o cabelo que está horrível ou passar uma tarde no parquinho com os filhos e seus amiguinhos ?
Por isso que muitas vezes as presilhas de fazer coque no cabelo se tornam a nossa fiel escudeira de todos os dias. Ou talvez neste dia não. Só neste dia. Talvez a situação da cabeleira esteja tão feia que o parquinho possa ser negociado para o domingo.

O tempo não perdoa. Ele voa. E nos resta fazer as escolhas.
E sempre vai haver tempo para escutar o coração.

O coraçao das mães nunca se engana.

Ele sofre, coitado. Mas o amor é tanto, tanto, que ele sempre sabe o caminho certo a tomar.

Gostou do texto? Comente aqui. Compartilhe !
Nota da autora: me inspirei para este post numa situação que vivi domingo passado.
Em um minuto Luísa estava ótima e contente, posando para fotos com essa roupinha nova e lacinho de florzinha no cabelo. No outro minuto, não me pergunte como, ela descompensou… Mas o coração da mamãe aqui foi ágil nas escolhas e tudo ficou resolvido no mesmo dia. Ela ficou ótima e voltamos para casa aliviados.

Categorias: Festas, Inclusão, Jóias raras

Sobre conhecer a família Wolf Hirschhorn

O post desta semana não poderia ser diferente.

No último sábado, 25 de novembro,  tive a imensa alegria de participar do 3o Encontro Rio da família SWH (Síndrome de Wolf Hirschhorn).

Mais do que isso, fiquei radiante de poder conhecer pessoas maravilhosas. E e que vivem todos os dias realidades parecidas com a minha, por terem filhos com a mesma síndrome.

Muito obrigada a todos vocês, família SWH, que me acolheram com tanto carinho desde o início.

Outra novidade é que agora euzinha , junto com Angela Simas, vou ajudar a manter um novo blog sobre o Movimento Rio.

Está ficando lindo nosso blog. Clique aqui para conhecer ou acesse : http://wolfhirschhornrio.blogspot.com.br/.

Abaixo conto um pouquinho de como foi esse encontro e essas experiência incrível e e memorável. Mais informações sobre o 3o encontro você encontra aqui.

“Este foi o primeiro encontro da família SWH que eu tive oportunidade de participar.

Luísa tem apenas 1 ano e 1 mês. Infelizmente na última oportunidade que o grupo de reuniu (em abril deste ano), eu ainda nem sabia do seu diagnóstico.

Me faltam palavras para expressar o quanto foi maravilhoso :

– encontrar pessoalmente pessoas que vivem as mesmas alegrias e dificuldades do que nós

– trocar experiências e desabafos com essas pessoas que já considero como amigas

Algumas mães eu já “conhecia” virtualmente, como a Sabrina (mãe da Nina), Angela (Mãe da Ana), e Ana (Mãe da Gabi). Foi bom demais ver “ao vivo e a cores” e poder dar um abraço “de verdade” nessas mães que tanto me ajudaram nos momentos iniciais. Suas mensagens de texto, áudios, milhares de dicas, e apoio emocional foram fundamentais para superar o momento do diagnóstico e as dificuldades vividas até agora.

Também foi muito gratificante conhecer as mães (e pais) que eu ainda não conhecia, nem na esfera virtual, ou que tive pouco contato pela internet. Como, por exemplo, a mãe do Emanoel, da Eloá, do João, da Juliana, do Lipe, da Lia. Com todas elas, eu tive a oportunidade de trocar algumas palavras. Algumas conversas mais breves, outras mais longas, porém todas com muito carinho envolvido.

O evento foi espetacular. Muito obrigada a Angela pela organização, a Ana por ceder o espaço, e a todos pelas contribuições. Agradecimento super especial para os que vieram de longe: São Paulo, Sul e Paraíba !

Estava tudo lindo e perfeito. Uma tarde muito especial. Abaixo destaco alguns dos pontos altos do nosso encontro:

-Participação de profissionais da área:  Palestras da fisioterapeuta da Nina – Lígia; Palestra da Terapeuta Ocupacional do João – Lenir; sessão tira-dúvidas essas profissionais incríveis

– Decoração linda em tons de branco e verde:

– Árvore de Natal feita com CDs com fotos das nossas crianças e irmãos

– Bolo e docinhos decorados nas cores da SWH – deliciosos !

– cachos de balões verde e brancos, arranjos de flores

– banners, cartazes, panfletos sobre a SWH e muito mais.

– Leitura do texto “Bem vindo à Holanda !” – clique aqui para ler, sobre como é ter um filho com necessidades especiais – leitura feita de forma excepcional e emocionada pela Bete, Mãe do João. Contagiante… Confesso que chorei de emoção, alegria, e uma mistura de sentimentos incríveis.

– Todos cantando juntos “Somos amigos, amigos do peito, amigos de uma vez….do balão mágico”- foi lindo de se ver !

– Lançamento do blog Movimento Rio Wolf Hirschhorn  , com depoimentos de algumas mães e fotos das crianças, páginas com informações sobre a síndrome, etc.

– Lembrancinhas que amamos :

– Quadrinho do 3º encontro com nossa logo – para cada criança e irmãos

–   Fitinha do 3º encontro : 4p- é amor a mais – adorei !

–   CDs com a foto dos nossos filhos

–  Mais importante de tudo : alegria e união de todos reunidos pelo amor pelos nossos filhos e amizades construídas !

Que venham muito outros encontros com essa gente feliz.

Gente simples e amável.

Gente que luta por amor. Que não desiste jamais.

Gente que vive dia após dia superando dificuldades e reunindo alegrias.

Gente que, assim como eu, agora sabe que a Holanda é tão linda quanto a Itália. Cheia de maravilhas. Maravilhas diferentes, é bem verdade. Mas não menos encantadoras do que as Italianas.

Muito prazer em conhecê-los, queridos amigos .

Texto por: Daniela Figueiredo – Mãe da Luísa.”

Abaixo compartilho algumas fotos do nosso encontro mais que especial.